GLORIA SWANSON - ALÉM DE NORMA DESMOND

Gloria Swanson é conhecida, por ter desempenhado o papel da decadente atriz de cinema mudo Norma Desmond, em "Crepúsculo dos Deuses" (Sunset Blvd). Ironicamente, esse papel condizia em termos com sua vida pessoal: no passado fora uma atriz de sucesso do cinema mudo, mas estava esquecida. O filme, além de fazer justiça ao seu talento, explorado por Billy Wilder na direção, fez com que seu nome fosse redescoberto e seus filmes também, já que na época em que o filme foi produzido, muitos da nova geração, não sabiam quem ela havia sido. Muitos pensam que "Crepúsculo dos Deuses", foi eu seu único sucesso, porém Gloria Swanson foi uma das maiores atrizes do cinema mudo e essa sua fase, passou anos no esquecimento, sendo resgatada nos últimos anos, fazendo com que as pessoas conhecessem o lado até então obscuro de sua carreira, provando que ela era maior que a personagem que a imortalizou no cinema. 
Nascida Gloria Josephine Mae Swanson, em 27 de março de 1899, fez diversas pontas em filmes, até atingir o estrelato. Chegou a fazer pontas em filmes de Chaplin. Sua primeira aparição no cinema ocorreu em "The Song of Soul" de 1914. Após uma série de aparições no cinema, foi notada por Cecil B. DeMille, que a levou para a Paramount em 1919. Disposto a transformar sua descoberta em estrela, DeMille produziu filmes em que Swanson era a protagonista. A parceria com DeMille deu certo e Gloria atingiu o sucesso, tornando-se uma das atrizes mais populares de Hollywood.
Sam Wood, seria o próximo parceiro de Swanson. "Esposa Mártir" (Beyond the Rocks) de 1922, foi um dos maiores êxitos da dupla. Outro diretor com quem Swanson firmaria parceria seria Allan Dwan: "Zaza" e "Stage Struck" são dois dos filmes que merecem menção, feitos pela dupla. Em "Zaza", de 1923, mostra sua veia dramática, interpretando uma geniosa e temperamental atriz de vaudeville, que sofre um acidente, acaba se apaixonando, mas tem seu coração partido. Após sofrer essa decepção amorosa, ela se torna uma pessoa triste. Em"Stage Struck" de 1925, filme onde mostra sua veia cômica, não devendo nada aos grandes nomes masculinos da comédia de sua época. O filme conta com uma gloriosa sequência em Technicolor de duas tiras, logo na abertura do filme. 
Em 1927, Swanson decide ousar e não renova com a Paramount, indo para a United Artists, onde teria uma liberdade maior para produzir seus filmes. Sua primeira produção foi "The Love of Sunya". Em 1928, Gloria produziu, roteirizou e protagonizou "Sedução do Pecado" (Sadie Thompson), baseado na controversa peça chamada "Rain", escrita em 1923, sendo essa, baseada na obra escrita em 1921 por W. Somerset Maugham, "Sadie Thompson". 
"Sadie Thompson", foi dirigido por Raoul Walsh e foi um grande sucesso. A bilheteria compensou todo o estresse sofrido durante a produção do filme. Swanson e Walsh uniram forças para que o filme fosse produzido: enfrentaram problemas para adquirir os direitos de produção, enfrentaram problemas com a censura, que não permitia uma história com uma prostituta como protagonista e enfrentaram os habituais problemas que ocorrem durante os bastidores das filmagens. 
Enquanto "Sadie Thompson" se tornara sensação, dando-lhe sua primeira indicação aos Oscar, na categoria de Melhor Atriz, Swanson entrava de cabeça na produção de "Minha Rainha" (Queen Kelly), dirigido por Eric von Stroheim. Stroheim e Swanson, entraram em conflito durante a produção do filme, pois Swanson sentia-se desagradada com o rumo da história. Stroheim foi substituído por Richard Boleslawski e mesmo com a substituição e o roteiro sofrendo alterações, o resultado final foi um fracasso.
Com a chegada do cinema sonoro, Swanson foi uma das atrizes a arriscar expôr sua voz nos filmes falados. Seu primeiro filme sonoro foi "Tudo por Amor" de 1929, que foi filmado como mudo, mas depois foi produzida uma versão sonora. Por esse desempenho, Swanson recebeu a sua segunda indicação ao Oscar. Esse filme foi refilmado em 1937 pela Warner, com o título de "Cinzas do Passado" (That Certain Woman) com Bette Davis no papel que havia sido interpretado por Swanson.
Embora tenha tido êxito ao transitar do cinema mudo para o falado, Swanson viu sua carreira entrar em declínio. Decidiu fazer uma pausa nos filmes entre 1934 e 1941, abrindo uma empresa de invenções e patentes, cujo o maior objetivo era resgatar inventores e cientistas judeus da Europa e trazê-los para os Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial. Sua atitude era fazer com que diversas vidas e talentos fossem salvos. Durante esse hiato do cinema, dedicou-se também ao teatro e chegou a ter seu próprio programa de televisão.
Na década de 50, ocorreria o primeiro renascimento de seu nome. Após as recusas de Mae West, Mary Pickford, Norma Shearer, Pola Negri, além dos boatos sobre os nomes de Greta Garbo, Marlene Dietrich e outras estrelas, para o papel de Norma Desmond, uma decadente atriz de cinema mudo, que vive trancafiada em sua mansão, revivendo os dias de glória e tramando seu retorno para o cinema, Swanson teve seu nome considerado para o papel. Foi indicada por George Cukor.
Swanson achou o papel interessante e também irônico, já que ele remetia um pouco sobre sua vida, talvez por isso acabou aceitando fazê-lo. O projeto foi bastante emotivo e nostálgico para Swanson: foi tratada como uma grande estrela por Billy Wilder e reencontrou Cecil B. DeMille, quem a havia descoberto, além de dividir a cena com Eric von Stroheim, com quem brigara anos antes. Por seu magnífico desempenho, Swanson recebeu sua terceira indicação ao Oscar, mas acabou perdendo para Judy Holliday, porém venceu no Globo de Ouro.
Após "Crepúsculo dos Deuses", fez apenas três filmes e uma participação em "Aeroporto 75" (Airport 75), como ela mesma. Nas décadas de 60 e 70, tornou-se mais ativa no teatro e na televisão, onde fez diversos telefilmes e participou de alguns seriados, como convidada especial. Continuou tocando seus negócios, além de viajar, escrever uma autobografia e manter alguns hobbies como pintura.
Na década de 60, foi homenageada, recebendo duas estrelas na calçada da fama: uma por sua carreira no cinema e outra por sua carreira televisiva. Chegou a ter ser filmes revisitados em uma retrospectiva feita pelo George Eastman House, um conceituado museu dedicado a arquivar fotografias e filmes.
Gloria Swanson faleceu em 4 de abril de 1983, aos 84 anos. Enquanto viva, passou por momentos de êxito e declínio, chegando a cair no esquecimento por um tempo. Foi novamente apresentada às novas gerações graças a "Crepúsculo dos Deuses", filme que a imortalizaria na história do cinema. Sua carreira antes dele, foi totalmente esquecida. Seu nome seria para sempre associado a esse filme, mas graças ao resgate dos seus filmes mudos, as novas gerações puderam conhecer uma Gloria Swanson muito maior e soberana que Norma Desmond.
“Quando eu era jovem, nenhum homem da minha idade ganhava dinheiro suficiente para me apoiar no estilo que se espera de mim. Não faz sentido brincar comigo mesmo. Eu amo toda a pompa, luxo e estilo. Quando eu morrer, meu epitáfio será: 'Ela pagou as contas'. Essa é a história da minha vida particular."

***
GLORIA SWANSON - ALÉM DE NORMA DESMOND GLORIA SWANSON - ALÉM DE NORMA DESMOND Reviewed by Rodrigo Veninno on 08:22 Rating: 5

Nenhum comentário:

Obrigado por comentar!!!

Tecnologia do Blogger.